quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Inversão de Valores - 1

A inversão de valores que se processa no seio de nossas casas é fato mais do que consumado. Todas as noites, "na hora em que a televisão brasileira destrói toda a gente com sua novela", fica ainda mais evidente a que ponto chegamos. Particularmente, não tenho acompanhado, pelo menos nos últimos 5 anos, a dramartugia brasileira. Infelizmente é impossível ficar completamente alheio à programação de nossa televisão aberta, o que faz com que, fatalmente, tenha contato com tais programas.
Atualmente, um grande sucesso de nossa pobre televisão é protagonizado pela atris Dira Paes, na pele de uma mulher adúltera que engana seu marido e entrega-se a outro homem, ou outros homens, sei lá. Até aí, nada de novo. Afinal, a teledramaturgia objetiva ser um espelho do mundo real. O que espanta é a simpatia que esta personagem angaria diante da maciça opinião dos telespectadores. Ou seja, temos uma clara inversão de valores aqui. Uma adúltera, em situação normal, jamais poderia ser ovacionada. Digo adúltera por força do exemplo, pois um adúltero deveria ter o mesmo tratamento, ou seja, gerar espanto, não simpatia. Percebem como isto é prejudicial ao desenvolvimento de nossa sociedade? Esta inversão atinge frontalmente o pilar básico de qualquer civilização, que é a família. Diante do tutor televisivo, nossas crianças assistem a tudo, encarando tal fato com naturalidade, como expressão dos mais altos valores cultuados por nós. É a revolução cultural em marcha avançada sobre nós.
Muitos outros exemplos podem ser retirados da teledramaturgia. Um lugar onde o empresário é sempre o homem malvado explorador dos trabalhadores. Onde um religioso é vítima de toda a sorte de difamações e de calúnias. Onde um casal homossexual é retratado mesmo como a síntese da evolução humana, santificado pelo politicamente correto. Um lugar onde crianças têm mais direito de se rebelarem de que seus pais em educá-las, pois tal educação é fornecida pelas escolas, que ensinam absurdos como "uma família é constituída de um homem e uma mulher ou qualquer combinação estapafúrdia entre eles". E ai de quem tentar opinar diferente. Automaticamente vira um homem mau, que deve ser eliminado pelo mocinho da história.
É desta maneira por demais inteligente que nossa cultura está sendo invertida. O certo torna-se errado e o errado certo. Com hipnótica obediência, nossos pais e educadores nada fazem para frear a progressiva destruição daquilo que construímos durante os últimos dois mil anos. O fenômeno é tão grave que a maioria da população rejeita praticamente todas as ideias que nossos artistas insistem em nos empurrar goela abaixo. E mesmo rejeitando a canonização do homossexualismo e a santificação da violência (esta tida como fruto da sociedade malvada e injusta) acabam por apoiar estas causas, sem perceberem, conscientemente, que estão indo de encontro a tudo o que acreditam. A origem, o início deste verdadeiro feitiço que penetra a mente tanto de mestres quanto de discípulos é extensa demais para ser explicada em um simples post. Está na raiz da própria civilização moderna, remontando à queda do Império Romano.
Os tentáculos desta verdadeira revolução são tão extensos que penetram em absolutamente todos os setores. Não temos hoje nenhuma voz que contradiga este estado de coisas dentro da nossa grande mídia. Tudo é tomado como sendo normal, como sendo inerente à nossa civilização. Dentro de nossos lares os pais nada fazem, perderam completamente a autoridade diante de seus filhos, muito pela intervenção de nossos artistas e jornalistas, isto sem mencionar os psicólogos com suas teorias de como os pais devem educar os filhos.
O estado de deteriorização de nossas famílias é avançado. Em breve, não teremos mais como salvá-las. Infelizmente, toda a máquina cultural, política e educacional conspira para que isto aconteça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário