quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Mensagem ao Sala de Redação

Prezados comentaristas do programa sala de redação:
Possivelmente esta mensagem será ignorada pelos senhores, ou será dada como alarmista, ou teoria da conspiração. Entretanto, sinto que é dever daqueles que detêm a informação, mesmo sem deter o conhecimento, buscar dar à população a verdade dos fatos e do que acontece hoje em nosso RS, no Brasil e no mundo.
Antes de iniciar, gostaria de dizer que sou um grande admirador do programa e de seus participantes. Até o Cacalo parece estar mais ponderado e vendo as coisas como elas são no meio esportivo. Após o terceiro tempo da rádio guaíba, sempre que posso, sintonizo no sala de redação, principalmente em busca das análises sempre precisas do futebol, feita principalmente pelo professor, acerca do meu Colorado. Com a eclosão de fatos aparentemente incongruentes e difusos no campo da política e da cultura, este programa, mesmo se tratando de ser uma mesa redonda esportiva, não poderia se furtar de fazer comentários acerca do que ocorre no país. Mas para tanto, é preciso conhecer os princípios, como já ensinara Aristóteles, para não cairmos na teia de armadilhas que o politicamente correto nos oferece. Vejamos:
O jornalista Lauro Quadros, o qual admiro desde há muito tempo, fez uma colocação pessoal corajosa, ao afirmar que, agora era de esquerda. Meu caro Lauro. Certamente, deves saber que, agindo desta maneira, passas a ser co-responsável moral pela morte de mais de 100 milhões de pessoas ao longo do século vinte, seja na antiga URSS, de Lênin e Stálin; na China de Mao, no Campoja de Pol Pot, na Cuba de Che e Fidel, enfim, em todos os países que guinaram à esquerda e impuseram à sua população o regime socialista, comunista, ou de esquerda.
Quando o professor fala sobre a destruição dos valores de outrora em relação ao que temos hoje, e que aqueles devem se adaptar à nova sociedade, fica, para mim, mais que evidente o grau que a revolução cultural atingiu mesmo nos homens mais cultos e letrados, que caem no abismo e nas artimanhas de Gramnsci. Aceitam a mudança da sociedade como algo normal quando, de fato, não o é. A destruição da sociedade tradicional remonta há tempos muitos antigos, ainda na filosofia de Epicuro, filosofia esta que vai inundar o pensamento iluminista e positivista, e proporcionar o surgimento de figuras como Russeau, Marx, Hegel e Gramnsci.
Além disto surgirão, em sua esteira, muitos outros movimentos como o gayzismo, o ambientalismo, e o feminismo, além da revolução cultural em si. Desta maneira, os valores sociais são destruídos para serem erguidos no seu lugar uma nova sociedade "um mundo melhor". Com todos estes movimentos de minorias, somos obrigados a engolir mil e um estatutos, dando super direitos para categorias seletas. Um caso especial que serve como exemplo é o do gayzismo onde o simples fato de um cidadão ter opinião contrária a seus praticantes é considerado imediatamente um ato homofóbico. O homossexual tem que ter direito igual a todos os cidadãos, e não um direito exclusivamente seu que advém de sua condição.
Não é só em nosso país que tal situação é encontrada. Os EUA também sofrem desde muito a transformação progressiva de sua sociedade em algo diferente do que ela é, o que acaba destruindo os valores judaico-cristãos, bases de nossa sociedade. O problema maior, no entanto, é a ocultação que a mídia mundial faz sobre estes temas. Afinal, são anos de doutrinação ideológica de esquerda dentro de nossas universidades e nas redações dos jornais. O caso fica tão grave, que mesmo quando confrontamos o nosso jornalista ou universitário de hoje com dados reais e indiscutíveis, estes os ignoram, tamanaha a eficiência da lavagem cerebral proporcionada pela esquerda, desde o seu epicentro russo, a KGB.
Meus caros senhores. Não quero aqui atacá-los ou criticá-los, mas convidá-los a abordar os fatos atuais e históricos de outro prisma que não o do politicamente correto ou o do academicamente aceito. Não sou eu a fonte deste tipo de informação, apenas procuro a verdade por trás deste véu de obviedades que nos cerca. Ironicamente, a pessoa que me fez, no final da década de 90, ver o mundo sobre outro prisma, escrevia para a Zero Hora, e foi pela demissão inexplicável dela que cancelei a assinatura deste outrora crível diário. Chama-se Olavo de Carvalho, o maior estudioso do movimento revolucionário mundial. Por buscar a verdade dos fatos, este grande filósofo foi enxotado do jornal, seguindo as ordens da metrópole (globo) que mostrou quem realmente manda no grupo RBS.
Quanto ao MST é mister destacar que se trata de um movimento criminoso e organizado, de inspiração maoísta que busca destruir o campo para sitiar as cidades, fazendo com que o socialismo possa aparecer como salvador da pátria. Seus integrantes são, em sua maioria, ignorantes úteis, comandados por lideranças muito bem instruídas em fomentar a violência e acabar com os "burgueses do campo". É um engano terrível acharmos que se trata apenas de um movimento reivindicatório, pois suas raízes vão muito além da busca pela terra. Eles querem a busca do poder e a transformação do Brasil em uma República Popular.
Não quero aquir mudar mentes ou opiniões, apenas convidá-los a olharem a história por outro ângulo. Para isto, sugiro aos nobres integrantes do programa, que leiam O Jardim das Aflições, de Olavo de Carvalho; Os Intelectuais, de Paul Johnson, O Livro Negro do Comunismo, Vários Autores (todos ex-comunistas);que assitam à FoxNews, e acessem os sites http://www.midiasemmascara.com.br/; olavodecarvalho.org; heitordepaola.com, e assistam no youtube a entrevista de Yuri Alexandrovich, dissidente soviético da KGB. Certamente, estas fontes, que são apenas algumas, lhes trarão, pelo mínimo, uma outra versão da realidade que nos engloba, e certamente favorecerá o crescimento intelectual das já geniais mentes dos senhores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário