quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A VOZ DA LEGALIDADE: A FORÇA MORAL DE HONDURAS



O que vocês lerão a partir de agora todas, absolutamente todas as redes de televisão, rádio, jornalismo e afins não deram a mínima importância. Entretanto, a entrevista do presidente hondurenho Roberto Micheletti à rede de televisão FoxNews, através da âncora do programa On The Record, Greta Van Susteren, revela em cores verdadeiras o que de fato aconteceu e acontece naquele bravo país, que teima em manter a sua constituição e a sua independência, mesmo sendo execrado pela ONU, OEA, e outros organismos internacionais, que ignoram a soberania de Honduras em prol do golpe traidor que Manuel Zelaya tenta impor sobre o país. Acreditem, não haverá qualquer menção a esta entrevista. Felizmente, pude acompanhá-la na integra pelo único canal de televisão dos EUA que ainda resiste à dominação revolucionária da esquerda e mantém o seu compromisso com a verdade. Como diz o seu lema: We report, you decide. Fair and Balanced. E você, caro leitor, esqueça a imprensa brasileira, a CNN e o NYT, se quiser saber a verdade do que acontece no mundo. Sem mais, vamos à entrevista:

ON THE RECORD – FOXNEWS – 17/09/2009

VAN SUSTEREN: Senhor, prazer em vê-lo. É um lugar bonito aqui.

MICHELETTI: Este é um país tranqüilo. Um país feliz. De lugares bonitos. Assim é Honduras.

VAN SUSTEREN: O que aconteceu em junho passado? Nos Estados Unidos, nós acordamos uma manhã, e vimos que vocês colocaram o presidente num avião e o mandaram para fora daqui...

MICHELETTI: Ele não era mais o presidente na hora que ele foi mandado para a Costa Rica. Ele estava agindo contra a nossa constituição

VAN SUSTEREN: Se eu entendi bem, embora não conheça a constituição e as leis do seu país completamente, mas eu entendi que ele queria fazer um referendo nacional em 28 de junho para convencer o Congresso Nacional a mudar a constituição para que ele pudesse então ser presidente uma segunda vez.

MICHELETTI: Isto é contra a lei. Em nosso país, ninguém pode ser presidente se já foi uma vez. Se ele foi presidente uma vez, jamais poderá ser presidente novamente

VAN SUSTEREN: E se vocês quiserem mudar a Constituição em dois, três ou quatro termos? Como que a Constituição de Honduras pode ser modificada?

MICHELETTI: Você não pode mudar a Constituição.

VAN SUSTEREN: Nunca?

MICHELETTI: Nunca.

VAN SUSTEREN: Não existe maneira de emendá-la?

MICHELETTI: Entre 1980 a 1982, os constituintes que estavam fazendo a constituição, pensaram: “algum dia pode aparecer um homem poderoso que possa tentar de alguma forma mudar as regras de nosso país”. Foi por isto que eles colocaram dois ou três artigos na constituição que não permite que alguém seja presidente novamente.

VAN SUSTEREN: Você está dizendo que ele foi um mau presidente ou um presidente desonesto?

MICHELETTI: Ambos.

VAN SUSTEREN: Ambos?

MICHELETTI: Ambos

VAN SUSTEREN: É um desonesto?

MICHELETTI. Sim, e nós podemos provar isto! Nós podemos provar isto!

VAN SUSTEREN: Como?

MICHELETTI: Ele ordenou a um de seus ministros, a seu Secretário de Estado, para que fosse ao banco, ao Banco Central, e retirasse de lá 40 milhões de lempiras. Em dinheiro vivo

VAN SUSTEREN: Quanto isto equivale em dólares? Uma idéia

MICHELETTI: Bem, 02 milhões de dólares. Nós somos um país pobre!

VAN SUSTEREN: O que eles fizeram com isto?

MICHELETTI: Ninguém sabe.

VAN SUSTEREN: E existem pessoas que o defendem, dizendo que isto tudo isto está errado, que sustentam que ele deveria continuar sendo presidente?

MICHELETTI: Sim

VAN SUSTEREN: E quem seriam eles?

MICHELETTI: Nosso grande amigo, os Estados Unidos estão dizendo que ele está habilitado a retornar.

VAN SUSTEREN: Quem é este melhor amigo?

MICHELETTI: O governo dos Estados Unidos.

VAN SUSTEREN: A sua visão é que o presidente Obama e a secretária Clinton não têm a história completa? É a sua visão?

MICHELETTI: Eles não sabem. Estou certo de que eles não sabem. Não sabem a verdadeira história.

VAN SUSTEREN: Você se encontrou alguma vez com o presidente Obama ou a secretária Clinton?

MICHELETTI: Não, não não. Eu os admiro, mas nunca em minha vida. Um dia eu recebi um telefonema da senhora Clinton.

VAN SUSTEREN: O que ela lhe falou?

MICHELETTI: Ela me perguntou se havia alguma maneira pela qual senhor Zelaya pudesse retornar ao poder.

VAN SUSTEREN: O que o senhor respondeu?

MICHELETTI: Não.

VAN SUSTEREN: Foi depois desta ligação, que os Estados Unidos cortaram 31 milhões de dólares para seu país. O que você pensa em sobre isto?

MICHELETTI: Bem nós tentamos enviar uma comissão aos Estados Unidos para explicarmos aos congressistas o que estava acontecendo, mas nos deparamos com uma grande barreira. A OEA disse que nós éramos uma cúpula, uma cúpula militar, e isto não é verdade. Nós estamos no poder, os civis estão no poder. Nós faremos eleições dia 29 de novembro.

VAN SUSTEREN: Você está concorrendo?

MICHELETTI. Não, não estou. E eu não posso concorrer nunca mais em minha vida. Porque, se eu sou presidente por apenas um dia neste país, eu jamais poderei concorrer ao cargo novamente. E se você observar o que está acontecendo na Venezuela, você saberá o que ele está planejando em fazer, uma cópia do que acontece na Venezuela. Hugo Chávez é um ditador! Há quantos anos Hugo Chávez está no poder? Ele está planejando fazer a mesma coisa.

VAN SUSTEREN: Ele é amigo de Hugo Chávez?

MICHELETTI: Acho que são irmãos.

VAN SUSTEREN: São como irmãos?

MICHELETTI: É, são como irmãos.

VAN SUSTEREN: Desde 28 de junho, Zelaya tentou entrar neste país duas vezes, pelo menos até onde eu sei. O que aconteceu?

MICHELETTI: Ele deveria entrar no país, ir à Suprema Corte ou aos juízes e dizer: “bem estou aqui. Julguem-me. Se sou um inocente, então posso andar nas ruas em liberdade. Agora se sou um homem corrupto, um ladrão, seja lá o que for, então devo ir para a cadeia". Ele tenta fazer mártires. Os Direitos Humanos vieram aqui, mas o presidente desta comissão era da Venezuela.

VAN SUSTEREN. Eles vieram aqui em agosto passado?

MICHELETTI: sim

VAN SUSTEREN: Porque eles tinham um relatório que acusava violação dos Direitos Humanos aqui?

MICHELETTI: sim

VAN SUSTEREN: Uma das coisas que esta comissão de Direitos Humanos disse era de que milhares de pessoas estavam nas prisões, desde 28 de junho. Isto é verdade?

MICHELETTI. Isto não é verdade. Eles não encontraram ninguém preso.

VAN SUSTEREN: Uma das coisas que foi dita, que esta comissão disse era que você e seu governo interino tinham prendido estas pessoas e cometeram violações nos Direitos Humanos. Mas você riu disto.

MICHELETTI: Porque isto não é verdade.

VAN SUSTEREN: Há quanto tempo o senhor conhece Zelaya?

MICHELETTI. Há muito tempo, porque ele foi congressista uma vez.

VAN SUSTEREN: Como ele era?

MICHELETTI: Bem, no começo ele era democrático, um homem democrático. Um bom homem. Nós estávamos com ele, éramos do mesmo partido

VAN SUSTEREN: Então você votou nele

MICHELETTI: Sim, eu o ajudei a ganhar muitos votos. E após isto ele continuou a mesma pessoa no começo. Depois de um ano ele começou a mudar de lado porque os ministros de seu governo eram de esquerda, comunistas.

VAN SUSTEREN: Você estará na ONU este mês quando praticamente todas as nações do mundo estarão em Nova Iorque? Você irá representar Honduras?

MICHELETTI: Não, eles não nos reconhecem.

VAN SUSTEREN: OK.

MICHELETTI: Não tenho visto par ir aos Estados Unidos.
Isto é, como eu diria, irônico. Nos EUA, na ONU, o cara que representa Honduras colocou bombas em Honduras em 1980.

VAN SUSTEREN: Espere um segundo. O que?

MICHELETTI: O homem que nos representa é Carlos Arturo Reina.

VAN SUSTEREN: Ele é seu representante na ONU?

MICHELETTI: Sim, representante de Zelaya, não meu.

VAN SUSTEREN: Zelaya o indicou para representar Honduras na ONU. O que se sabe sobre este cara?

MICHELETTI: Ele colocou bombas em Honduras. Ele não tinha visto para ir aos EUA. Ainda assm, ele está lá, representando Zelaya na ONU.

VAN SUSTEREN: Certo. Deixe-me ver se entendi. Ele não tem visto para ir aos EUA, mas Zelaya o colocou na ONU, então ele pode ir lá. E ele colocou bombas aqui nos anos 80?

MICHELETTI: Sim.

VAN SUSTEREN: Bombas que explodem?

MICHELETTI: Bombas, sim.

VAN SUSTEREN: Porque ele colocou bombas aqui?

MICHELETTI: Acredito que os EUA o acusaram e tomaram seu visto há muito tempo atrás.

VAN SUSTEREN: Porque ele colocou bombas aqui?

MICHELETTI: Porque ele era um revolucionário, era contra o governo.

VAN SUSTEREN: Os EUA ou o povo de Honduras nunca se queixaram dele ser o representante de deste país na ONU?

MICHELETTI: Nos queixamos, porque sabíamos que isto entra em confrontou com os EUA. Queremos boas relações com os EUA. Mas ele diz que vai estar lá, e lá está.

VAN SUSTEREN: Ok, ele nega ter colocado bombas em Honduras?

MICHELETTI: Não, eles têm provas que ele fez isto.

VAN SUSTEREN: Mas ele disse que não fez isto, ou ele disse “eu fiz isto”?

MICHELETTI: A corte diz que ele fez. Ele fez isto.

VAN SUSTEREN: Você acha que Zelaya estará nas Nações Unidas? Você espera que ele esteja nas Nações Unidas?

MICHELETTI: Eu não sei e não me interessa.

VAN SUSTEREN: Você gostaria de ir?

MICHELETTI: Não. Nos sentimos muito confiantes , o que fizemos em Honduras é certo, está de acordo com nossa constituição.

VAN SUSTEREN: Como vai Honduras? Como está sua economia?

MICHELETTI: Estamos indo OK. Com dificuldades e com o dinheiro dos Estados Unidos e outros povos trabalhando forte. Nós ficaremos aqui, governando este país pelo caminho certo até 27 de janeiro.

VAN SUSTEREN: Sua mensagem para o presidente Obama qual é?

MICHELETTI: Mande alguém para entender, para ler a nossa constituição. Dizem que as pessoas podem mudar a constituição dos Estados Unidos. Eu digo, bem, OK, porque vocês sabem a maneira como vocês podem ir mudando a constituição.
É a mesma coisa neste país – ninguém tem o poder para mudar a constituição. Tem que estar com o povo. Tem que ser com eleições

VAN SUSTEREN: E uma mensagem ao sr Zelaya?

MICHELETTI: Pare de tentar atingir os pobres deste país. Não minta mais.

VAN SUSTEREN: Obrigado senhor.

MICHELETTI: Obrigado a você. E Deus abençoe a América, Honduras e você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário