terça-feira, 20 de outubro de 2009

A César o que é de César


Confesso que não acreditei quando li no sítio do Olavo de Carvalho que o nosso inestimável e maravilhoso governo está concedendo aos pobrezinhos dos presidiários o Auxílio por Reclusão, onde a família do apenado recebe cerca de R$ 700,00 por mês enquanto o infeliz estiver preso. Desta maneira, a famigerada justiça social das esquerdas estará sendo realizada.
Particularmente eu acho o benefício muito justo e apropriado. Afinal, devemos proteger as famílias dos estupradores, assassinos, traficantes e sequestradores. Eles são pobres vítimas da sociedade malvada. O que eles poderiam fazer? Sabe como é, vivemos num país de desigualdades, onde ou você nasce em um berço dourado ou então vira bandido! Vejam só a quantidade de pobres e miseráveis que temos no Brasil? Eles são exatamente, ou pelo menos se aproximam muito, do número de assaltantes, assassinos ou sequestradores por exemplo. Eles não tiveram escolha, foram obrigados a ir para o crime! Como iriam alimentar suas famílias? Trabalhando? Ora, trabalhar é para otários como eu, ou você caro leitor.
E as vítimas destes bandidos? Merecem alguma coisa? Ora, claro que não! Quem mandou o coitado do cidadão estudar, trabalhar e comprar um carro novo? Ninguém mandou o malvado do empresário ganhar dinheiro com sua empresa. Dane-se se ele arcou com todos os custos de montar qualquer coisa neste país, se ele ousou colocar suas economias em jogo! Negativo, tem mais é que ser roubado mesmo, ou sequestrado! Onde já se viu uma coisa destas? Além de obter lucro, o cara ainda dá emprego para o povo? Ele é o bandido, não aqueles que estão atrás das grades! E aquela menina que resolveu sair para se divertir na boate? Foi estuprada? Azar é o dela! Foi para a rua com roupas de festa é porque "tava pedindo"! Pediu levou! Ela é que é a culpada de seu próprio estupro, e não o animal que o cometeu. Afinal, ele é mais uma vítima desta sociedade controlada pelo capital e blá blá blá.
E a família destas vítimas, sabem o que recebem do governo e do beautiful people nacional? Pena, e nada mais. Nenhum centavo, nada. E ainda são obrigadas a ver a corja de intelectuais, sociólogos, antropólogos, e outros "ólogos" a defender o criminoso. Não recebem nenhuma ajuda psicológica ou material, nada, de ninguém. Recebem apenas os pêsames e as reclamações sobre a insegurança. Ou então são obrigados a ouvir das Lucianas Genro, Manuelas D'ávila, Marias do Rosário da vida coisas do tipo "os culpados são vocês, burgueses que não ajudam ao próximo!"
A estas antas da política nacional e a todos os pseudo-intelectuais que entopem as universidades e as redações dos jornais, apenas uma coisa tenho a dizer: ninguém obriga ninguém a ser criminoso. Se é criminoso, não é igual aos outros cidadãos. Se não é igual, é diferente. Se é diferente, tem que ser tratado como tal, e não ser privilegiado por isto. Somos frutos de nossas escolhas, e eles escolheram as suas. Não cabe ao trabalhador que se dedica sustentar esta afronta que é o Auxílio por Reclusão. Afinal, isto é pago com o dinheiro suado de pessoas honestas, de famílias honestas. Se os presos não querem deixar suas famílias desamparadas, eu tenho uma sugestão bem simples: não cometam crime, assim, não serão presos.
Ou alguém aí tem uma idéia melhor?

Nenhum comentário:

Postar um comentário