segunda-feira, 15 de março de 2010

Não Bastam Apenas Boas Intenções

Willian Waack, em seu programa na GloboNews, tentou dar um enfoque realista sobre as declarações de Lula em Cuba acerca dos prisioneiros políticos da ilha. Infelizmente, não soube escolher seus convidados.

O programa Almanaque, da GloboNews trouxe, neste final de semana, a presença de escritor Samarone Lima e dos cientistas políticos Cláudio Couto e Bolívar Lamounier, que juntamente com o jornalista Willian Waack, procuraram analisar as declarações do presidente Lula sobre prisioneiros políticos em Cuba. O jornalista possui uma trajetória um tanto peculiar em comparação com seus companheiros de profissão, ao publicar o livro Camaradas, onde mostra uma esquerda que a esquerda tenta esconder. Por esta razão, o programa poderia ser bastante interessante. Mas não foi isso o que se viu.
Basicamente, ao comentarem sobre as declarações do presidente, os convidados limitavam-se a dizer que foram infelizes, e que Lula deveria ter sido mais enfático em defender os direitos humanos. E que tal declaração, mesmo sendo em território cubano, não iria configurar intervenção estrangeira em assuntos internos (diferentemente do caso Zelaya, uma clara intromissão brasileira nos assuntos hondurenhos). De Samarone Lima, esperava-se uma atitude favorável ao governo de Castro. Afinal, mesmo não o conhecendo, sabia-se que era fruto da intelectualidade brasileira. Então, que mais poderia se esperar? Para minha surpresa, o escritor retratou a realidade do que viu: pobreza, controle político, censura, e a total falta de liberdade da população que vive ideologicamente e mesmo fisicamente encarcerada.
O suposto debate parecia bem. Entretanto, ao serem chamados os cientistas políticos, ficou claro que o cerne da questão, os reais motivos que levaram o presidente a dar tal declaração não seriam mencionados. Ambos os cientistas ficaram surpresos com as declarações, principalmente porque o Brasil estava caminhando para a aprovação de um Projeto Nacional de Direitos Humanos. Foi a partir deste momento que deixei de ver o programa, especialmente porque a seguir seriam tratadas as causas da miséria cubana. Ou era causada pelo regime ou pelo embargo dos EUA. Acho que já sabia qual seria a resposta.
Willian Waack, em seu programa na GloboNews, tentou dar um enfoque realista sobre as declarações de Lula em Cuba acerca dos prisioneiros políticos da ilha. Infelizmente, não soube escolher seus convidados. A essência da questão não foi tratada, que é a aliança ideológica que mantém ligados umbilicalmente Fidel e Lula: o Foro de São Paulo. Poderiam ser mantidos os convidados, desde que fosse trazido para o debate alguém que conheça profundamente a situação cubana e as conexões de Lula (e, porque não dizer, do PT ou da esquerda como um todo). Faltou a presença de Graça Salgueiro, Heitor de Paola, Percival Puccina ou Olavo de Carvalho para citar alguns dos maiores conhecedores do assunto. Desta maneira, uma oportunidade preciosa foi perdida para que fosse mostrado a fundo as reais intenções de nosso governo. Foi como se o programa estivesse estudando um oceano com seus integrantes olhando para a superfície e achando que saberíam tudo a respeito dele.
Boas intenções não são suficientes. É preciso coragem para mergulhar fundo no problema e encontrar as verdadeiras respostas. Parece que Willian Waack falhou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário