terça-feira, 8 de junho de 2010

Distribuição de Renda

Jornais, revistas, artistas e intelectuais aplaudem de pé esta grande conquista nacional! Conseguimos humanizar o dinheiro!

A grande propaganda de nosso presidente é a distribuição de renda conseguida pelo governo federal durante os últimos oito anos. Os carros-chefe são programas assistencialistas como o "Fome Zero" e o “Bolsa Família", sendo este último o verdadeiro xodó do petismo nacional. Sem querer jogar água no chope dos nossos amigos vermelhinhos de plantão, lembro que esta bolsa nada mais é do que a compilação das diversas bolsinhas (umas até poderiam ser classificadas como niqueleiras) do governo FHC (um vermelhinho, digamos... mais enrustido). Lula nada mais fez do que juntar numa bolsa gigante as diversas bolsinhas de outrora e dar um novo nome. Plim! Surgia o Bolsa Família e a sua esteira milhares (ou seriam milhões) de brasileiros começaram a sair da pobreza absoluta bastando ter um filho na escola e não comprovar renda. E eis então o vil metal sendo distribuído como "nunca antes na história deste país".
Jornais, revistas, artistas e intelectuais aplaudem de pé esta grande conquista nacional! Conseguimos humanizar o dinheiro! E tudo isto graças a... O meu dinheiro, o seu dinheiro, o nosso dinheiro! Ou seja, o dinheiro de todos os manés que trabalham, ganham dinheiro (e são condenados por isto) e pagam seus exorbitantes impostos. É isto mesmo! Tirar dos ricos para dar aos pobres! (tradução: tirar dos que trabalham e dos que criam trabalho para dar às vacas eleitorais dos currais tupiniquins).  O resultado: inúmeros são os casos de pessoas que não querem emprego fixo porque caso o consigam, deixam de receber o benevolente benefício estatal. Vale mais a pena coçar o saco do que tentar conseguir emprego. E enquanto isto, nossos impostos financiam cada vez mais o ócio alheio.
É claro que sou favorável à distribuição de renda da maneira mais justa possível, ou seja, pelo mérito do trabalho das pessoas, e não através de esmolas eleitoreiras que nada fazem além de comprar votos, corações e mentes.
Mas este tipo de distribuição de renda não acontece somente nas classes mais pobres da população. O inchaço do aparelho estatal com a criação de infindáveis (e inúteis) ministérios e secretarias é outro exemplo. Afinal, onde o PT e Cia. iria arrumar uma boquinha para seus “copanhêros” que não no governo através do crescimento astronômico do funcionalismo público? E adivinhem quem paga a conta? Eu, você, nós todos! Através do que? Através dos infindáveis impostos que nos são cobrados!
Uma verdadeira distribuição de renda seria atingida se fossem aumentados os postos de trabalho. Para que isto aconteça, urge a revisão das leis trabalhistas, previdenciárias e tributárias, de maneira que permita aos empreendedores condições mais justas para que possam não só abrir novas vagas de trabalho, mas até mesmo aumentar o salário dos atuais empregados. Seguramente, muitas famílias iriam sair da linha da miséria de maneira muito mais rápida e digna.
Distribuir renda não é tirar dos mais ricos para os mais pobres. É possibilitar aos mais pobres as condições necessárias para que, através do suor de seu trabalho, sejam mais ricos. Condenar e emitir palavras de ordem contra "a burguesia detentora do dinheiro" é claramente um sinal doentio de inveja do sucesso alheio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário