domingo, 8 de agosto de 2010

Nada mudará.

Imagine se todas as empresas estatais fossem realmente privatizadas. Imagine que nossas 41 secretarias e ministérios fossem reduzidas ao essencial, eliminando pastas ridículas como o Ministério do Esporte, Articulação Política, Pesca, Igualdade Racial e tantos outros?
Entre promessas de mundos e fundos feitas pelos candidatos aos governos estaduais e ao federal, nenhuma me comove. Mesmo que todas elas fossem integralmente cumpridas, a mim de nada adiantariam para que o país se desenvolvesse. Nã quero saúde gratuita, educação gratuita, previdência, garantias socais, nada disto. A única coisa que eu queria era poder pagar por todos estes serviços. Era poder ganhar um bom salário para pagar a empresas privadas a minha saúde, minha educação, minha previdência, meu lazer. Duas coisas apenas eu exijo do governo: segurança e infra-estrutura. Somente isto. E é justamente nestes dois pontos que nossos sucessivos governantes têm falhado.
Infelizmente, nos últimos anos, a quantia gasta pelo governo em salários pagos a seus funcionários demonstram o tamanho descomunal que se encontra o Estado brasileiro. Centenas de milhares de cargos criados, agências reguladoras, novos ministérios e um sem-número de inutilidades são geradas pelo monstro governamental. A última foi a tal da Empresa Brasilera do Legado Esportivo, mais uma empresa estatal, que irá gerar gastos para os contribuintes e fará obras certamente superfraturadas (porque serão obras que não funcionarão), e certamente terá em seus quadros mais funcionários públicos que, ao estabilizarem, nada produzirão para a economia. E quem pagará a conta? Adivinhe: os palhaços pagadores de impostos.
Imagine se todas as empresas estatais fossem realmente privatizadas. Imagine que nossas 41 secretarias e ministérios fossem reduzidas ao essencial, eliminando pastas ridículas como o Ministério do Esporte, Articulação Política, Pesca, Igualdade Racial e tantos outros? Nossa carga tributária seria menor, as pessoas ganhariam maiores salários com isto e poderam pagar por serviços prestados por empresas de capital privado. A única coisa que o governo deveria fazer era garantir a concorrência  e estabelecer as regras para os mais diversos setores. Mas claro que isto não será feito.
Enquanto o governo continuar se inchando, controlando empresas e se metendo em todas as nuances da vida privada, continuaremos do mesmo jeito que estamos agora. O governo fingindo que presta serviços, que poderiam e deveriam ser prestados por empresas privadas, os impostos aumentando cada dia mais e mais e os trabalhadores e empresários, que geram a riqueza do país, cada vez mais penalizados por gerarem esta riqueza. 
Empregos precisam ser gerados pelo empresariado e não pelo Estado. Este apenas deve garantir as condições ideias para que empresas gerem trabaho. Para isto é preciso apenas que nossos governantes se preocupem com segurança, infra-estrutura, redução drástica do tmamanho do Estado, redução dos impostos e revisão da legislação trabalhista, nada mais. Mas infelizmente, este é um sonho cada vez mais distante de se tornar realidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário