sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O "Big Brother" Lanterninha

Afinal, a quem compete a educação de nossas crianças: aos pais, com sua bagagem de experiência e valores religiosos, morais e éticos solidificados por mais de 2 mil anos de civilização ocidental, ou ao Estado, que muda seus valores e sua moral a cada eleição?

Em reportagem do portal da RBS a senhora Simone Spadari, promotora de justiça do Ministério Público de Santa Cruz do Sul, proibiu os pais de levarem seus filhos menores de 16 anos para assistirem ao filme Tropa de Elite 2. Tudo começou quando um leitor de um jornal da cidade escreveu uma carta dizendo que tinha visto uma criança de 10 anos (acompanhada dos seus pais)  no cinema que estava exibindo a película. O argumento utilizado foi a de que crianças com menos de 16 anos não tem maturidade para entender que o filme é uma obra de ficção, embora baseada em fatos reais. Segundo a reportagem, ela afirma que "as cenas são muito violentas para a criança, que ainda não está com maturação suficiente para assimilar as imagens e mensagens desse filme. Ele não só expõe violência explícita, de execução sumária, mas também implícita, de tráfico de influência, de corrupção. E é preciso estar melhor preparado para fazer a interpretação".  E ainda diz que tomou a decisão porque os pais não estão preparados! O resultado: menores de 16 anos não podem ver o filme acompanhado dos pais. É o Big Brother lanterninha!
Vejam a que ponto o Estado intervém na vida privada do cidadão. O pai não pode levar seu filho para ver um filme porque ele não está preparado para decidir o que é ou não é bom para a educação da criança. Ora! Quem a senhora Simone Spadari pensa que é para saber se os pais estão ou não preparados? Desde quando um promotor, juiz, desembargador ou o raio que o parta tem o poder absoluto de decidir se os pais são capazes ou não assim, genericamente? Afinal, a quem compete a educação de nossas crianças: aos pais, com sua bagagem de experiência e valores religiosos, morais e éticos solidificados por mais de 2 mil anos de civilização ocidental, ou ao Estado, que muda seus valores e sua moral a cada eleição?
E porque os menores de 16 anos não estão preparados para as cenas (verídicas) de Tropa 2, mas podem ver um beijo gay, uma traição entre cônjuges e a iniciação sexual precoce exibidas diariamente na novela das 8.... Para ver a realidade violenta e corrupta na qual vivemos não estão preparados. Mas para ver as imoralidades rolando solta na TV, aí são maduros? Aí os pais, milagrosamente, são completamente preparados para discernir? Isso é, no mínimo paradoxal né "dotora". Cada vez mais, os pais estão perdendo o direito sagrado e natural de serem os educadores de seus filhos para o Estado, sob o aplauso caloroso de nossos pedagogos, psicólogos, educadores e intelectuais de plantão. Assim, fica facilitado o caminho para a doutrinação de nossa juventude de acordo com o ideal totalitário do partido, exatamente como fez Hitler, Stálin, Lênin, Solano López e tantos outros mandatários de regimes sangrentos, assassinos e totalitários.
É mister que a sociedade solte seu grito de liberdade entalado na garganta. É preciso vencer o processo de doutrinação sistemática do qual estamos sendo vítimas. Os homens que honram suas calças e as verdadeiras mulheres de fibra e coragem precisam despertar da hipnose socialista. Precisam mostrar a este e aos futuros governos que os filhos são educados e pertencem a seus pais. Não são filhos do Estado.
Os pais têm que ter o direito de levarem seus filhos a participarem de qualquer atividade que eles julgam ser importante para o processo educacional, desde que esta atividade não seja ilegal. Cinema não é ilegal não é mesmo? 
Sugerir uma faixa etária aos pais para a exibição de determinado filme ou espetáculo é uma coisa. Impô-la é totalitarismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário