terça-feira, 23 de agosto de 2011

Quem São os Intolerantes?


Se a Defensoria Pública nada faz contra aqueles que tentam impor o comportamento homossexual como algo normal e por vezes desejável à custa de afrontar a religiosidade e a moral da população o mesmo não podemos dizer acerca do tratamento dado àqueles que o condenam.



Quando se fala em intolerantes, a primeira imagem que recebemos é a de um fundamentalista religioso ou de um conservador que não aceita as mudanças profundas que ocorre na sociedade que ele ajudou a construir. Assim, desde os primeiros anos escolares, crianças são programadas a aceitar toda e qualquer mudança e a condenar toda e qualquer resistência a essas mudanças. Se não o fizerem, serão taxados, no futuro, de intolerantes.
Na questão da homossexualidade, o quadro se agrava: todos aqueles que são favoráveis aos gays são automaticamente isentos de toda e qualquer culpa, enquanto os que são contra tal comportamento ou condenam essa pratica por questões morais ou religiosas são imediatamente carimbados e rotulados como criminosos intolerantes que merecem ir para o xadrez. O quadro é de tal gravidade que pessoas são acusadas por cometerem um crime que sequer existe: a homofobia.
Mas quem seriam os verdadeiros intolerantes? Vejamos o caso dos cristãos e conservadores. Estas pessoas, se fiéis à sua religiosidade e moral, condenam o comportamento homossexual. Entretanto, não consigo lembrar de um único caso onde um gay foi barrado de entrar em uma igreja, desde que respeite tal ambiente como sendo impróprio para a satisfação de seus desejos homossexuais. Não lembro, também, de nenhum processo de órgãos do sistema judiciário como a Defensoria Pública, contra as novelas por estarem mostrando o comportamento homossexual como sendo normal. Tampouco soube de denúncias contra a afronta que grupos homossexuais fazem de forma ostensiva e corriqueiras às instituições religiosas ao colocarem imagens sacras em paradas gays ou a rasgarem bíblias na frente de templos e igrejas, por exemplo. Ambientes GLS são abertos e inaugurados dioturnamente e não há registro de qualquer pessoa que tenha impedido tais instalações de funcionarem. Mesmo os ditos crimes homofóbicos são ínfimos quando comparados à quantidade de assassinatos praticados no país. Se um gay morre em um assalto não foi por sua orientação sexual, mas pelo fato de ter sido assaltado. Isto sem contarmos casos onde homossexuais são mortos por seus companheiros ou em disputas por pontos de prostituição.
Vejamos agora o outro lado da moeda. Quando um articulista como Júlio Severo ou pastores evangélicos colocam suas opiniões contrárias à homossexualidade o que acontece? São imediatamente perseguidos, caluniados e criminalizados. Nada pode ser dito contra a conduta homossexual, nem mesmo uma vírgula. Verificamos tal estado de coisas todos os dias, na produção jornalística, artística e cultural. O gay é sempre retratado como um "cara legal" enquanto aqueles que discordam de seus comportamentos são retratados como truculentos e homofóbicos, especialmente nos dramas da teledramaturgia brasileira. Se a Defensoria Pública nada faz contra aqueles que tentam impor o comportamento homossexual como algo normal e por vezes desejável à custa de afrontar a religiosidade e a moral da população o mesmo não podemos dizer acerca do tratamento dado àqueles que o condenam. Em Ribeirão Preto, por exemplo, a Defensoria entrou com uma ação para exigir a retirada de versículos bíblicos de outdoors acusando-os de serem homofóbicos. Além de homofobia não ser crime, as mensagens escritas nos painéis são mensagens religiosas, constantes na bíblia a milênios. A justiça está agora regulando religião, exatamente como fizeram os jacobinos, os bolcheviques e os maoístas por exemplo. 
Júlio Severo é outro que sofre constante patrulhamento ideológico. Como ferrenho defensor dos princípios do cristianismo e da moral judaico-cristã, é mais do que esperado que se posicione contra o homossexualismo. Mas em nenhum de seus artigos está implicita, direta ou indiretamente, a utilização da violência contra esses grupos. Pelo contrário. Se Júlio odiasse os homossexuais, não poderia sequer ser um verdadeiro cristão. Para o cristianismo, o homossexualismo é um pecado. Ora, se eu proclamo essa fé estarei sendo intolerante? Estarei semeando o ódio? Toda igreja e templo cristão recebe todos os pecadores de braços abertos para a sua redenção. Mas querer impor ao cristianismo a aceitação de um comportamento pecaminoso é, no mínimo, totalitário. Assim como é totalitário querer impor que um comportamento flagrantemente antinatural e anormal (se não fossem, todos seríamos homossexuais não?), é natural, normal e desejável. Experimente falar ou escrever algo questionando a conduta homossexual... Choverão denúncias e críticas contra a sua homofobia. 
De um lado temos pessoas que têm sua religiosidade, sua moral e sua liberdade de expressão sendo atacadas sistematicamente pelos gayzistas, quer por meio de manifestações em paradas gays com motivos sacros, pela queima de bíblia ou por mensagens de ódio contra os conservadores e cristãos. Contra este tipo de manifestação, nada é feito, nem mesmo os próprios cristãos e conservadores parecem reagir.
Do outro lado temos um grupo de pessoas com um tipo de comportamento diferente do restante da população que não admitem a mínima crítica acerca de suas atitudes homossexuais. Pessoas que praticam um ostensivo patrulhamento ideológico e de pensamento, num concreto exemplo orwelliano do crimepensamento e da aplicação da Polícia das Idéias, representada pelo sistema judiciário. Pessoas que querem calar a igreja, calar os conservadores e impor a sua condição de homossexual como sendo algo acima do bem e do mal, acima de Deus, acima das Leis, acima da liberdade de expressão e informação, que calam, humilham e destroem qualquer indivíduo que ouse se opor ao seu estilo de vida.
Fica, pois, a pergunta: afinal, quem são os intolerantes?












4 comentários:

  1. Numa faculdade CATÓLICA eu já fui acusado de "homofobia"...

    ResponderExcluir
  2. Morato,tudo isto acontece porque os PILÂNTRAS dos polícos sem vergonhas,adépto da esperteza do LULADRÃO,ESTÃO DE ÔLHO nos votos desta cambada de GAYS E LÉSBICAS.Agente sabe que neste país a massa deste tipo de gente é grande,ainda mais se somado com os drogados e bandidos.
    Esta politicalha para se manter no poder ou ficar nele,mata até a mãe para conseguir seu objetivo.
    Viadagem e lesbianismo existem deste que mundo é mundo,não estou nem ai para eles,se quezerem viver na sacanas que eles gostam,que vivam,mas querer que aceitemos todas estas aberrações que eles produzem, já é demais.Com certeza o final não vai ser nada feliz.

    Hum abraço.

    ResponderExcluir
  3. Haydil o modelo de babaquice. Sem opiniões concretas - ofensas.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com algumas opiniões e outras não, acho que é assim a vida "não posso concordar com tudo que falas, mas defenderei até a morte o direito de dizer", nesse mundo, e em outros, todo tipo de intolerância, de extremismo, tem que ser combatidas, na minha opinião um pastar um padre pode até falar que homossexualismos é errado e tal mas não pode falar (e isso acontece, pergunte para qualquer cristão), que vai queimar no inferno, e sei lá o que, nem vou entrar em questão de bíblia aqui, não quero escrever um livro de erros, houve um tempo que as mulheres foram as ruas pedindo direitos, religiosos foram contra, negros pediram direitos, muitos foram contra, cientistas descobriam obviedades, igrejas os queimavam, o lado da história comandado pela igreja é conhecida como idade das trevas. Essa questão da justiça , é algo engraçado, ela proibiu banners falando do ateísmo, que religião não defenia caráter foi proibida de veicular em Porto Alegre (estranho ...), Enfim, eu não sou a favor dos homossexuais, e nem sou contra, apenas defendo a igualdade de todos, acho que ninguém merece ter tratamento diferenciado, acho que é isso abraço

    ResponderExcluir